CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ORGÃOS




Acadêmico participa da grande final da maior competição internacional de empreendedorismo social entre estudantes

04-10-2018

No mês de setembro, o estudante Fellipe Carlos Corrêa Batista, do curso de Medicina do Centro Universitário Serra dos Órgãos (UNIFESO) esteve nos Estados Unidos como convidado, na qualidade de National Director no Brasil, a participar do 9th Annual UN Hult Prize Global Finals & Awards Gala, a final da competição Hult Prize que premiou uma startup formada por universitários com o investimento de 1 milhão de dólares.

A premiação internacional mais prestigiada para o empreendedorismo social, que incentiva a criação de novas empresas dedicadas ao enfrentamento das questões consideradas como as mais urgentes do mundo, é concedida pela Hult International Business School, e sua etapa final de 2018 aconteceu no dia 15, na sede da ONU, em Nova York.



Segundo Fellipe, além de aumentar a sua rede de contatos e estreitar laços com a fundação Hult Prize, sua presença no evento foi um marco para sua vida acadêmica. “Ver estudantes que defenderam a ideia de uma empresa se tornarem milionários e, com isso, ainda causarem impacto a milhares de pessoas foi incrível. É impressionante como o poder da ideia pode proporcionar momentos como esse, considerando, é claro, não só a ideia, mas todo o trabalho e esforço da equipe vencedora", avaliou.



Equipe do UNIFESO competiu nas finais da última edição, em Boston

“Aproveitando o poder da energia para transformar a vida de 10 milhões de pessoas – como mudar o mundo com US$ 1 milhão?”. Este foi o tema do desafio de 2018 proposto pela Hult Prize. O Prêmio Hult teve, neste ano, pela primeira vez, estudantes do UNIFESO representando a Instituição e o Brasil nas etapas finais da competição, que é a maior do mundo entre universitários.

O UNIFESO enviou para as quartas de final da competição a equipe Onyx Studios, formada pelos estudantes Carlos Jacobina, Ariel Zimbrão, Douglas Ornelas e Renan Souza, do curso de Ciência da Computação. O estudante Fellipe foi o Campus Director do UNIFESO na época, e mesmo conhecendo a competição já em andamento, quase na reta final do primeiro processo classificatório, ele não mediu esforços para incluir a Instituição na disputa, concluindo em apenas 15 dias etapas que levam um prazo de seis meses. “Tivemos o apoio da reitoria, o que foi primordial para conseguirmos concluir com sucesso este desafio”, salientou o estudante. “O que também me motivou foi o fato de incentivar nossos estudantes a iniciarem uma startup de impacto social, ou seja, uma ideia de uma empresa que cause o bem para as pessoas e que ainda os façam ganhar dinheiro”, notou o estudante.



Agora a expectativa é para a próxima competição, com o tema “Juventude, como estimular 10 milhões de empregos para Juventude nos próximos 10 anos”, em alusão aos 10 anos do Hult Prize e seu público jovem. “Está lançado o desafio para os estudantes do UNIFESO começarem a pensar em montar suas startups. Com a experiência do ano passado, temos potencial para chegar nas finais”, garantiu Fellipe.



Estudantes do UNIFESO já podem pensar no tema de 2019



Quem está com o título de Campus Director do UNIFESO neste ano é o estudante Rodolpho Mello, do curso de Medicina. “Não é todo dia que se tem a chance de participar do movimento que foi chamado de ‘Prêmio Nobel para os Estudantes’ e capa da revista TIME, destacando as ‘Cinco melhores ideias mudando o mundo’”, justificou ele.

Em parceria com o presidente Bill Clinton, a Clinton Global Initiative e a Hult International Business School, o Prêmio Hult encoraja estudantes universitários do mundo todo a resolver os maiores desafios com ideias inovadoras. A equipe vencedora ganhará 1 milhão de dólares em capital para sua startup e aconselhamento de grandes nomes internacionais.

Rodolpho explicou que a disputa se dará a partir da criação de uma equipe, que irá competir contra outras equipes formadas no UNIFESO. As melhores vão competir nas regionais, que acontecerão na Bélgica, no Canadá ou na Austrália. Ainda há o ‘Acelerator’, com as 50 melhores equipes do mundo e, então, a grande final que ocorre em Nova York com os seis principais trabalhos.

“O UNIFESO possui grande potencial em liderança e empreendedorismo. Um exemplo disso é a Onyx, que pode servir de inspiração para todos. Neste ano queremos que nossos estudantes sejam os vencedores do prêmio, levando o nome Instituição e do Brasil para todo o mundo”, afirmou o Campus Director do UNIFESO, ressaltando o apoio oferecido pela reitoria e direções do UNIFESO como indispensável para a realização do evento.