CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS




Atores do CCFP recebem certificado por participação na I Olimpíada de Simulação Clínica do Curso de Medicina

10-04-2019

Como uma forma de agradecer e homenagear os envolvidos na I Olimpíada de Simulação Clínica do Curso de Medicina, realizada em 2018, no III Congresso Acadêmico-Científico do Unifeso (Confeso), representantes do curso de Medicina do Centro Universitário Serra dos Órgãos (Unifeso) entregaram aos atores do Grupo de Teatro do Centro Cultural Feso Pro Arte (CCFP) camisas e certificados de participação, durante um encontro, dia 4 de abril, no Salão Nobre do CCFP.

O grupo de teatro recebeu, ano passado, o convite para firmar uma parceria com o curso de Medicina para a realização de uma atividade simulada em que os atores interpretariam diferentes casos clínicos e seriam submetidos ao atendimento dos estudantes. Para isso, os atores passaram por treinamentos semanais para os capacitar acerca das doenças que iriam incorporar no papel de paciente.

De acordo com o responsável pela atividade, professor Luis Filipe Figueiredo, assessor do curso de Medicina, a atividade foi iniciativa de estudantes do sétimo período que o procuraram com esta proposta. “É uma forma de avaliar por completo os estudantes, considerando a tomada de decisão diante uma situação de saúde, ou seja, não é só o conhecimento que ele carrega, mas é utilizar esse conhecimento para tomar uma decisão, que pode ser certa ou errada, e que pode, sobretudo, impactar na vida deste paciente. Esse momento de simulação, principalmente com atores padronizados humanos, fica mais concreto e real, pois transmite as emoções de relação entre médico e paciente”, contou o professor.

“O primeiro emprego de todo recém-formado é a sala de emergência, e muitas vezes o profissional não tem isso tão fundamentado na formação. Este evento foi importante para solidificar essa proposta”, justificou a estudante Caroline Freitas.

O professor do Grupo de Teatro, Ayrton Rebello, conta que os estudantes mergulharam na nova experiência. “Eles evoluíram muito com a proposta, e agora ficamos na expectativa de ver o crescimento deste projeto”, contou o professor.