CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS




Fisioterapia do Unifeso promove projeto de saúde voltado à  estimulação do desenvolvimento de crianças de creche municipal

30-05-2019

O curso de Fisioterapia do Centro Universitário Serra dos Órgãos (Unifeso) está atuando no Projeto de promoção de saúde e estimulação do desenvolvimento neuropsicomotor de crianças na Creche Municipal Paraíso. Nos meses de maio e junho, os estudantes irão à creche e, divididos em grupos, realizam atividades descontraídas com as crianças com o objetivo de avaliar e estimular e evolução neuropsicomotora dos pequenos. As dinâmicas são realizadas com a orientação de professores do Unifeso e apoio da direção e professores da escola. 



Maria Cecília Gusmão, diretora da creche, conta que desde o ano passado, a turma da fisioterapia vem articulando, junto com a direção da escola, esse trabalho com as crianças. “Esta parceria está sendo muito rica para a escola. Os estudantes fizeram a anamnese de todas as crianças e, com isso, descobrimos situações, envolvendo o nascimento delas, que a mães não haviam passado para a escola na matrícula, e são informações muito importantes. Os acadêmicos fizeram também o diagnóstico das crianças de acordo com a faixa etária, trabalhando com elas em sala e observando o comportamento. Paralelo a isso tudo, estão fazendo um trabalho de formação para aos educadores de sala”, contou a diretora. 

De acordo com a professora Ana Carolina Gomes Martins, da disciplina Saúde da Criança e do Adolescente, a ação tem como objetivo “inserir o discente do curso nesse diferente cenário de prática, a fim de estimular o planejamento e execução de programas de saúde na área de saúde da criança e estimulação neuropsicomotora”. 

Para o estudante Wagner Pereira da Silva, “é uma experiência enriquecedora, pois conseguimos assimilar toda a parte teórica que aprendemos em sala ao desenvolver com as crianças esse trabalho. Com isso, temos a oportunidade de otimizar o desenvolvimento de crianças saudáveis e trabalhamos a evolução das que apresentam algum atraso no desenvolvimento”.  



Por Giovana Campos