CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS




Parceria entre Ciências Biológicas e Ciência da Computação abre horizontes para projetos na área da Biologia utilizando o Sistema de Informações Geográficas

03-05-2019

O Café Científico do curso de Ciências Biológicas do Centro Universitário Serra dos Órgãos (Unifeso), realizado no último dia 25 de abril, teve um incremento especial da área de tecnologia. Os estudantes visitaram o Laboratório de Projetos e Prototipagem (LPP) e conheceram os conceitos que fundamentam o Sistema de Informações Geográficas (SIG), que utiliza ferramentas para visualização e análise de dados associados a localizações na superfície terrestre ou, em outras palavras, dados georreferenciados.

“Eles tiveram a oportunidade de conhecer alguns dos programas utilizados nesta área do conhecimento, além de projetos desenvolvidos no LPP. Foram também levantadas possibilidades de desenvolvimento de projetos de interesse do futuro biólogo na área da Biologia, utilizando o SIG”, detalhou o professor Carlos Alfredo Franco Cardoso, coordenador do curso de Ciências Biológicas. 

O grupo foi recebido pelo o professor José Roberto de Castro Andrade, coordenador do LPP, docente do Centro de Ciências e Tecnologia (CCT) e assessor do Núcleo de Inovação Tecnológica da Instituição (NIT). “Foi muito bom apresentar o nosso novo laboratório no campus Quinta do Paraíso aos estudantes de Biologia. Nosso propósito, não somente em relação ao SIG, mas também em outros projetos, é desenvolver um trabalho multidisciplinar, integrando estudantes dos três Centros da Instituição, sempre focando na importância do uso da tecnologia e da criatividade por parte dos alunos, em busca de novas propostas e soluções. Especificamente na área de Biologia, saímos da palestra com uma visão bastante otimista, com várias ideias e propostas de projetos levantadas pelos presentes, que serão a partir de agora discutidas e analisadas em termos de viabilidade de execução”, avaliou. 

Para o estudante do terceiro ano de bacharelado, Rickson Souza Ribeiro, a palestra foi “uma oportunidade de unir dois campos do conhecimento, o da Biologia e o da Ciência da Computação já que, com essa ferramenta, seria possível o mapeamento em 3D de áreas degradadas, e com isso o desenvolvimento de metodologias de recuperação. Além desse tipo de trabalho, também seria possível o mapeamento biogeográfico de espécies recorrentes em determinadas regiões, podendo assim reconhecer melhor sua biologia e distribuição no espaço”. 

Esta não foi a primeira vez em que os cursos de Ciências Biológicas e Ciência da Computação promovem evento em parceria. Há três anos, foi realizado o primeiro voo do drone Phantom 4 sobre a Floresta-Escola. A ação possibilita acompanhar o crescimento das árvores a partir de voos periódicos e do mapeamento através da geolocalização, utilizando ferramentas de SIG.

“A parceria com outros cursos sempre é um ganho imensurável para o curso de Ciência da Computação. A partir destas iniciativas, trocamos experiências e entendemos melhor o que os estudantes da nossa instituição, independentemente do curso, esperam como profissionais. Estas oportunidades trazem o diferencial para todos aqueles que trabalharão com tecnologias de ponta, que facilitam o trabalho do denominado profissional do futuro”, observou o professor Laion Luiz Fachini Manfroi, coordenador do curso de Ciência da Computação do Unifeso. 



Por Giovana Campos