CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS




Varal Sustentável do Ceso atrai grande público em sua primeira edição

06-08-2019

O Centro Educacional Serra dos Órgãos (Ceso) montou, na entrada do prédio, um grande varal onde foram pendurados roupas e sapatos arrecadados por alunos da Educação Infantil e do Ensino Médio. A ação aconteceu no dia 5 de agosto e contou com a participação da comunidade acadêmica e da sociedade civil, que puderam pegar as peças de que precisavam. Os alunos da escola fizeram a abertura do Varal e distribuíram corações de papel com frases que promoviam a sustentabilidade.

“Doe o que puder, leve o que precisar” foi o lema da iniciativa, cujo objetivo era incentivar nos alunos um comportamento mais consciente e sustentável em relação ao aproveitamento e ao desperdício de recursos. Erika Mendes da Silveira Martins, mãe de Maria Eduarda, aluna do 4º ano, contou que a doação de roupas que não servem mais já faz parte da rotina da família. “Maria Eduarda chegou lá em casa encantada com a ideia, porque já fazemos isso. Ela ganha muita roupa usada e também doamos as roupas que não servem mais nela. Estou sempre incentivando a doação, e distribuímos as peças no nosso bairro. Achei a iniciativa muito importante e ecologicamente correta”, disse Erika.

As professoras do Ceso idealizaram o projeto para dar oportunidade às crianças de experimentarem um comportamento econômico e sustentável, com a reutilização de materiais de uso cotidiano, para que reflitam sobre os diferentes fins e possibilidades antes do descarte. A professora Adriana Lopes afirma que a escola mobilizou cerca de 140 crianças. “Queremos que isso vire um hábito. A cultura de reaproveitar e de reutilizar promove um viver sustentável. A ideia é manter esse projeto para sempre no Ceso”, explicou. 

Lara Tavares Santanna tem 10 anos e é aluna do 5º ano. Ela doou várias roupinhas e concorda com a professora Adriana. “Acho que a escola tem que fazer o Varal todo o ano. É uma atitude muito bonita, porque tem gente que não tem nada. O legal é que as roupas não são só para os pobres, mas também para pessoas que estão precisando de alguma coisa”, ressaltou. 

Por Juliana Lila