CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS




Jubileu de Ouro do curso de Medicina é celebrado em noite emocionante de homenagens e recordações

21-10-2020

Uma noite de celebração, inspiração e boas recordações. Assim foi a solenidade comemorativa do Jubileu de Ouro do curso de graduação em Medicina do Centro Universitário Serra dos Órgãos (Unifeso), que aconteceu no dia 19 de outubro, em transmissão on-line pelo canal da instituição de ensino no Youtube. O evento contou com mais de 800 participantes, entre egressos, alunos, professores e funcionários técnico-administrativos. Assista aqui.

Na ocasião, foi feito o lançamento do selo comemorativo do Jubileu de Ouro. A professora Simone Rodrigues, coordenadora do curso, foi a cicerone da solenidade, que contou também com as falas de Antonio Luiz da Silva Laginestra, presidente do Conselho Diretor da Fundação Educacional Serra dos Órgãos (Feso); Luis Eduardo Possidente Tostes, diretor Geral da Feso; Verônica Santos Albuquerque, reitora do Unifeso; José Feres Abido Miranda, pró-reitor de Desenvolvimento Institucional do Unifeso; Rosane Rodrigues, diretora Geral do Hospital das Clínicas de Teresópolis Costantino Ottaviano (HCTCO); Fellipe Portela, presidente do Dahas; Mario Parreira Fortes, professor da primeira turma; Daniel Hernandez, professor fundador do Grupo de História da Medicina; e Mariana Arcuri, diretora do Centro de Ciências da Saúde do Unifeso.

A professora Simone fez uma apresentação em que homenageou os 12 diretores e coordenadores que passaram pelo curso de Medicina nos últimos 50 anos. Após a apresentação, foi exibida uma entrevista emocionante com o professor João Zerillo de Andrade Adell, que contou causos e curiosidades desde o início de seus trabalhos para a então chamada Faculdade de Medicina de Teresópolis, em 1970. Zerillo participou desde a fundação da pedra fundamental, atuando também como diretor e professor do curso. É uma figura muito querida e memória viva da história do curso de Medicina em Teresópolis. 

O público também contou com uma apresentação do professor Daniel Hernandez com registros históricos de fatos marcantes dos 50 anos do curso. Confira alguns destaques dos discursos proferidos no evento.

Simone Rodrigues, coordenadora do curso de Medicina do Unifeso

“Preparamos esse evento com muito carinho para relembrarmos a nossa história e fazermos o lançamento oficial do selo comemorativo dos 50 anos do curso. Esse é o momento para agradecer a todos que fizeram e fazem parte dessa história. Um momento cercado de incertezas sanitárias, que exige a superação de desafios e a construção de forma coletiva para soluções. É um momento para refletirmos e planejarmos os próximos 50 anos”.

Antonio Luiz da Silva Laginestra, presidente do Conselho Diretor da Feso

“Hoje, ao comemorarmos os 50 anos do nosso curso de medicina, lembramos com admiração daqueles que nos antecederam. Foram 50 anos de trabalho intenso, de renovação e de atualização permanentes. Nosso reconhecimento e nossas homenagens a todos que, de uma forma ou de outra, somaram esforços e que nos propiciaram chegar até aqui. Temos procurado, dentro de nosso orçamento, atender todas as demandas dos cursos, especialmente o de Medicina, o aporte de recursos tem sido alto, principalmente em nosso hospital de ensino, que está sendo ampliado, diversificado e equipado com a aquisição de aparelhos de última geração. Novos tempos chegaram e novas dificuldades surgem a cada dia. A pandemia do novo coronavírus nos fez enfrentar desafios até então desconhecidos, mas graças ao empenho e engenhosidade dos corpos docente e discente estamos conseguindo superar todas as dificuldades”.

Luis Eduardo Possidente Tostes, diretor Geral da Feso

“Quando comemoramos os 50 anos da nossa Faculdade de Medicina de Teresópolis, aproveitamos para fazer uma reflexão sobre a importância do nosso curso e da nossa instituição na formação médica brasileira e no desenvolvimento de Teresópolis e região. Aproveitamos também para deixar uma mensagem de gratidão a todos aqueles que fizeram e fazem parte desse projeto e dessa história.

Quis o destino que de um encontro casual entre os professores Zerillo e Jorge Mazzantini, nos corredores de Brasília, surgisse a ideia de trazer para Teresópolis um curso de Medicina, o que foi possível porque aqui já havia sido instituída uma fundação educacional, a Fundação Educacional Serra dos Órgãos (Feso), cujo propósito era oferecer aos jovens da cidade a oportunidade de aqui estudarem. Por circunstâncias da época, o nosso curso de Medicina teve professores notáveis, de reconhecimento nacional, que vieram, sobretudo, da UFRJ e da UFF. Nossa faculdade, então, acabou se constituindo em um centro de excelência e de prestígio nacional. 

Hoje nós entendemos que existe uma interferência muito positiva da nossa faculdade e da Feso com o desenvolvimento da nossa região. Damos uma contribuição muito importante para o desenvolvimento da nossa cidade e temos cumprido a nossa função primordial que é a de formar pessoas para contribuírem para o desenvolvimento do Brasil”.

Verônica Santos Albuquerque, reitora do Unifeso

“Para comemorar os 50 anos do curso, queríamos uma festa bonita, presencial, com nossos egressos, alunos e professores, mas isso não foi possível pelas circunstâncias da pandemia. Porém, com um olhar otimista, acho que o formato on-line agrega pessoas que não poderiam estar conosco presencialmente em um evento. Gostaria também de dizer que, nesses 50 anos, foram 6.542 médicos formados que fazem uma diferença gigantesca para a cidade de Teresópolis, para o estado do Rio de Janeiro, para o Brasil e para o mundo. A noite de hoje é um encontro de gerações e de comemoração, onde o passado e o presente estão juntos. E é muito bom ver e conhecer a história de pessoas que nos inspiram e orgulham muito esta instituição”. 

José Feres Abido Miranda, pro-reitor de desenvolvimento institucional do Unifeso e aluno da primeira turma

"Gostaria de lembrar que dentre os seis mil médicos que formamos, tivemos dois ministros da Saúde. Duvido que outra instituição de ensino privada do Brasil teve a oportunidade de ter em seus bancos dois ministros da Saúde, e aí me refiro ao Arthur Chioro e ao Luiz Henrique Mandetta, de posturas e colocações políticas bastante divergentes, mas que tiveram uma preocupação de construir e de ampliar o sistema de saúde na defesa da vida. Quando ingressei na Faculdade de Medicina de Teresópolis, na primeira turma, em 1970, os estudantes vinham de todos os cantos do Brasil e menos de 5% da minha turma eram compostos de estudantes residentes do município, e eu era um deles. Hoje essa situação mudou. Naquela época havia apenas 50 faculdades de medicina, e agora temos mais que 350. Nesses 50 anos, vivi e participei de muitas mudanças e, se posso deixar uma mensagem, deixarei a do pensador grego Heráclito: a única coisa permanente é a mudança. Todo o esforço que fiz para traduzir aqui o processo de mudança será sempre permanente”.

Rosane Rodrigues, diretora Geral do HCTCO

“Estou na direção do HCTCO há 10 anos, então tenho muito orgulho de fazer parte dessa trajetória da instituição. As histórias da Feso e do hospital se confundem com as histórias de Teresópolis e da Região Serrana no que diz respeito à atenção à saúde.

O HCTCO também comemora seus 50 anos em novembro deste ano. É um grande equipamento de saúde, presta serviços de grande relevância tanto para Teresópolis quanto para a Região Serrana, desde 1970. Ele foi inaugurado com o objetivo de atender as necessidades da Faculdade de Medicina e também os anseios da população. Além de ser um equipamento importante para o desenvolvimento local, é um cenário indispensável para a formação dos nossos estudantes. Nos preocupamos em nos qualificarmos cada vez mais para formarmos mais e melhores profissionais na área da Saúde”.

Fellipe Portela, presidente do Dahas

“Ouvindo a fala de todos, vejo, como aluno, como temos que ter responsabilidade de dar continuidade à excelência na nossa graduação.  Hoje nosso curso tem em torno de 900 alunos, e, como representante do corpo discente do curso de Medicina do Unifeso, gostaria de ressaltar que é uma responsabilidade muito grande estar aqui e ver que todos os professores passaram por aqui para tornar a Faculdade de Medicina de Teresópolis uma das melhores do Brasil.  Isso é muito importante para a gente pensar no que queremos para o nosso futuro”.

Mario Parreira Fortes, professor e aluno da primeira turma

“Gostaria de homenagear nossos colegas da primeira turma da Faculdade de Medicina de Teresópolis. Cinquenta anos se passaram, e temos coisas boas e ruins em meio a tanto tempo. As boas são ter notícias de que alguns colegas nossos ainda seguem na ativa, inclusive operando. As notícias ruins são saber que alguns deles já nos deixaram”. 

Daniel Hernandez, professor fundador do Grupo de História da Medicina do Unifeso

"Passei 41 anos da minha vida trabalhando diretamente com o professor Zerillo. Então gostaria de fazer aqui a minha homenagem a ele, que foi o meu mentor, meu professor, meu incentivador e o meu exemplo.  Eu me curvo frente à magnitude dessa pessoa que eu aprendi a conhecer, a conviver e a respeitar e fico muito feliz de vê-lo ainda podendo contar suas histórias. Uma coisa que ele sempre falava é que o importante é ter história para contar, e ele contou para nós”.

Mariana Arcuri, diretora do Centro de Ciências da Saúde do Unifeso

"Este é um momento simbólico de comemoração de 50 anos do curso de Medicina. Sei que muitos dos que estão nos assistindo são ex-alunos, médicos formados, outros, além de ex-alunos, foram e são também professores, construíram e constroem ainda hoje esta trajetória. É uma honra está aqui porque, assim como muitos de vocês, há mais de 20 anos sou professora também no curso. Mas como diretora o que me marca mesmo no MedTerê é acompanhar as chegadas, os percursos, as colações de grau, as despedidas. Toda a formatura é uma conquista. MedTerê está no coração e no diploma de todos que por aqui passaram e que ainda vão passar”. 



Por Juliana Lila

Outras Notícias





Atendimento On-line