COMPLICAÇÕES MATERNO-FETAIS DE GESTAÇÕES GEMELARES

Fabio Bastos Silva, Alcymara Martins Rodrigues Soares, Geovana Coelho Lemgruber Porto, Larissa Corrêa De Almeida, Vitória Braziellas Justiniano

Resumo


Introdução: gemelaridade é a gestação com dois ou mais embriões. Aumenta sua
incidência conforme o aumento da idade materna, reprodução assistida, entre outros. Pode ser
devida à fecundação de dois ovócitos (mais comuns) ou de um mesmo ovócito que se divide.
Oferecem mais riscos à mãe e aos fetos, como a natimortalidade até cinco vezes mais elevada
nestas gestações. Objetivos: Apresentar brevemente as complicações mais comuns das gestações
gemelares; expondo a sua epidemiologia no Brasil conforme o colocado no DATASUS e
comparar as principais complicações encontradas na literatura com as descritas no DATASUS.
Métodos: Revisão bibliográfica com busca nas bases: LILACS, Scielo, MedLine, e Google
Acadêmico, livros e órgãos de ginecologia e obstetrícia. Foram incluídas fontes entre 2004 e
2018 que abordassem aspectos deste trabalho em português ou inglês e coletados dados no
DATASUS sobre complicações no Brasil, sendo alocados em tabela e trabalhados como
porcentagens. Resultados e discussão: As complicações da gemelaridade podem ser divididas
em materna e fetais, que podem ser subdivididas em gerais e exclusivas da monocorionicidade.
As mais comumente encontradas na literatura são a hipertensão, prematuridade, crescimento
discordante, diabetes mellitus e anomalias. No DATASUS os dados mostram elevada
prematuridade, baixo peso ao nascer e mais partos cesáreos em gemelares em comparação aos
fetos únicos, além de baixo Apgar mais frequente. Conclusão: Pouco prevalentes, as gestações
gemelares apresentam alta ocorrência de complicações. Porém, os dados do DATASUS mais
recentes são de 2016 e possuem ignorados em cada complicação; possivelmente impossibilitando exatidão nas estatísticas nacionais. Apesar disso, assim como as literaturas, mostram maior

complicação para gemelares e indicam a necessidade de novos estudos no Brasil.


Texto completo:

PDF

Referências


Montenegro CAB, Filho, JR. Gravidez Gemelar. In: Montenegro CAB, Filho, JR. Rezende

Obstetrícia. 13ª Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017. P. 627 – 58.

Cunningham FG, Kenneth JL, Bloom SL, Hauth, JC, Rouse DJ, Spong CY. Gestação

Múltipla. In: Cunningham FG, Kenneth JL, Bloom SL, Hauth, JC, Rouse DJ, Spong CY.

Obstetrícia de Williams. 23ª Ed. São Paulo: AMGH Editora, 2012. P. 859 – 89.

Coelho PBA. Determinantes da Morbimortalidade Perinatal na Gravidez Gemelar

[Disseratação de Mestrado]. Rio de Janeiro: Instituto Fernandes Figueira – Fundação Oswaldo

Cruz; 2011.

Chauhan SP, Scardo JA, Hayes E, Abuhamad AZ, Berghella V. Twins: Prevalence, Problems

and Preterm Births. Am J Obstet Gynecol. 2010 Ago; 203(4): 305-15.

Ayres A, Johnson TRB. Management of Multiple Pregnancy: Labor and Delivery. Obstetrical

and Gynecological Survey. 2005; 60(8): 550-4.

Ministério da Saúde (BR), DATASUS, SINASC, Informações de Saúde (TABNET),

Estatísticas Vitais, Nascidos Vivos 1994-2016. Brasil. Disponível em:

http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0205&id=6936&VObj=http://tabnet.dat

asus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinasc/cnv/nv Acesso em 14.11.2018.

Oliveira SA, Junior JE. Complicações Fetais Na Gemelaridade Monocoriônica: Quadro

Clínico, Fisiopatologia, Diagnóstico e Conduta. Femina. 2014 Mar-Abr 42(2): 95-100.

Universidade Federal do Rio de Janeiro (Maternidade Escola). Gemelaridade. Protocolo de

Obstetrícia. Disponível em:

http://www.me.ufrj.br/images/pdfs/protocolos/obstetricia/gemelidade.pdf Acesso em 23.08.18.

De Sá RAM, Da Silva NC, De Rezende KRF. Gestação Gemelar: Problemas em Dobro?

Femina. 2008 Dez; 36(12): 749-55. Disponível em: https://docplayer.com.br/37794572-Resumo-

abstract-gestacao-gemelar-problemas-em-dobro-atualizacao-twin-pregnancy-twice-the-

problems.html

Royal College of Obstetricians and Gynecologists (RCOG). Multiple Pregnancy: The

Management of Twin and Triplet Pregnancies in the Antenatal Period. 1ª Ed. Londres: RCOG

Press; 2011.

Liao A. Gestação Gemelar. In: Urbanetz, AA. Ginecologia e obstetrícia Febrasgo para o

médico residente. 1ª Ed. Barueri: Manole, 2016. P. 1170-81.

De Souza ECC. Avaliação das Condições ao Nascer e Complicações em Recém-Nascidos

Gemelares Segundo a Ordem de Nascimento [Trabalho de Conclusão de Curso]. Florianópolis:

Universidade Federal de Santa Catarina; 2008.

American College of Obstetricians and Gynecologists. Multiples: When It’s Twins, Triplets,

or More. In: American College of Obstetricians and Gynecologists. Women’s Health. 2014. P.

-374.

Miller J, Chauhan SP, Abuhamad AZ. Discordant Twins: Diagnosis, Evaluation and

Management. Am J Obstet Gynecol. 2012 Jan; 206(1): 10-20.

De Oliveira TG, Freire PV, Moreira FT, De Moraes JSB, Arrelaro RC, Rossi S, et al. Escore

de Apgar e mortalidade neonatal em um hospital localizado na zona sul do município de São

Paulo. Einstein. 2012; 10(1): 22-8.

Secretaria de Saúde do Estado (PR). Caderno de Atenção à Saúde da Criança Recém-

Nascido de Risco. Paraná: Secretaria de Saúde do Estado.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações

Programáticas Estratégicas. Atenção à Saúde do Recém-Nascido: Guia para os Profissionais de

Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.