CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS




A arte circense entre as atrações do XVIII Festival PoÊterÊ

16-11-2018

Respeitável público, o espetáculo vai começar! E será no dia 24 de novembro, quando doses de alegria, incrementadas com superação, serão distribuídas para crianças e adultos que marcarem presença entre as 12 horas de programação do XVIII Festival PoÊterÊ, promovido pelo Centro Cultural FESO Pro Arte. A magia do circo no festival artístico mais tradicional de Teresópolis será traduzida pela Trupe Circunflexo, que levará apresentações de malabarismo, perna de pau, bolhas de sabão, palhaçaria, acrobacia de solo e roda de fogo, contando com inúmeros personagens interpretados por cinco multiartistas.

Com seis anos de trajetória, a trupe trabalha com democratização no acesso à cultura, atuando também em praças e espaços públicos. “Tentamos transformar um pouco da vida das pessoas através da alegria e da superação”, garante o integrante Ivo Bernardo Maurício, que trabalha com a arte circense há 12 anos. Segundo ele, durante o festival, os artistas irão atuar com diversas inserções, em pequenos números no intervalo das atividades. “Além disso, também estaremos no palco principal com o nosso espetáculo de variedades circenses, focado na parte poética com números de gala”, disse Ivo. 

O XVIII PoÊterÊ vai reunir artistas locais e convidados de todo o país nas mais diversas formas de expressão. Além dos artistas, estudantes do Centro Universitário Serra dos Órgãos (UNIFESO) e de escolas públicas municipais e estaduais são convidados a participar com apresentações diversas. Realizado tradicionalmente entre os meses de novembro e dezembro, o PoÊterÊ reúne as sete artes: música (a arte do som); dança/coreografia (a arte do movimento); pintura (a arte da cor); escultura (a arte do volume); teatro (a arte da representação); literatura (a arte da palavra) e cinema (integra elementos das artes anteriores). A programação completa do XVIII Festival PoÊterÊ está disponível no site: www.unifeso.edu.br/cultural/poetere.



Por Giovana Campos