CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ORGÃOS




Centro Universitário Serra dos Órgãos


Na comemoração dos 40 anos da FESO, as Faculdades Unificadas Serra dos Órgãos foram credenciadas como Centro Universitário Serra dos Órgãos – UNIFESO, através da Portaria 1.698, de 13 de outubro de 2006, publicada no DOU Seção I, de 16 de outubro de 2006. Tal fato alinhou o UNIFESO com as demais instituições universitárias que, conforme a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, se caracterizam pela excelência do ensino oferecido, pela qualificação de seu corpo docente e pelas condições de trabalho oferecidas à comunidade acadêmica.

Antonio Luiz da Silva Laginestra
Chanceler

A construção de prédios, laboratórios, bibliotecas e a aquisição de equipamentos garante, ao lado de um quadro de professores e pessoal técnico-administrativo em permanente qualificação, não apenas uma infraestrutura de qualidade mas também um processo de ensino-aprendizagem altamente dinâmico e participativo, o que consolida a posição do UNIFESO como uma das mais importantes instituições educacionais do Estado do Rio de Janeiro.

Missão

Promover a educação, a cultura, a ciência, a tecnologia e a inovação constituindo-se num polo de desenvolvimento regional de modo a contribuir para a construção de uma sociedade justa, solidária e ética.

Visão

Ser reconhecida como uma instituição educacional inovadora e de excelência, com expansão da sua atuação, articulada com as demandas sociais.

Valores

Ética | Justiça | Cidadania | Responsabilidade social | Sustentabilidade sócio-ambiental | Valorização da diversidade | Valorização das pessoas | Gestão participativa

Estrutura

Campus Antonio Paulo Capanema de Souza

Administração / Ciência da Computação / Ciências Contábeis / Direito / Enfermagem / Engenharia Civil /
Medicina / Nutrição / Odontologia

Campus Quinta do Paraíso

Ciências Biológicas / Farmácia / Fisioterapia /
Medicina Veterinária / Pedagogia

Campus FESO Pro Arte

Engenharia Ambiental e Sanitária / Engenharia de Produção

Estrutura Organizacional

Reitoria
Profa. Verônica Santos Albuquerque
reitoria@unifeso.edu.br

Chefia de Gabinete
José Nilton Dias Granito
gabinetedareitoria@unifeso.edu.br

Secretaria Geral de Ensino
Prof. Fillipe Ponciano Ferreira
segen@unifeso.edu.br

Pró-Reitoria Acadêmica
Prof. José Feres Abido de Miranda
proac@unifeso.edu.br

Núcleo de Apoio Psicopedagógico e Acessibilidade
nappa@unifeso.edu.br

Assessoria
Profa. Mônica de Souza Corrêa
Profa. Rosângela Pimentel Guimarães Crisostomo
assessoriaproac@unifeso.edu.br
Diretoria do Centro de Ciências da Saúde
Profª. Drª. Mariana Beatriz Arcuri
ccs@unifeso.edu.br

Coordenação do Curso de Ciências Biológicas
Prof. Carlos Alfredo Franco Cardoso
coordcursocbiologicas@unifeso.edu.br

Coordenação do Curso de Enfermagem
Profa. Selma Vaz Vidal
coordcursoenfermagem@unifeso.edu.br

Coordenação do Curso de Farmácia
Prof. Valter Luiz da Conceição Gonçalves
coordcursofarmacia@unifeso.edu.br

Coordenação do Curso de Fisioterapia
Profa. Andréa Serra Graniço
coordcursofisioterapia@unifeso.edu.br

Coordenação do Curso de Medicina
Prof. Manoel Antônio Gonçalves Pombo
coordcursomedicina@unifeso.edu.br

Coordenação do Curso de Medicina Veterinária
Prof. André Vianna Martins
coordcursomedveterinaria@unifeso.edu.br

Coordenação do Curso de Nutrição
Profª. Agnes Bueno dos Santos
coordcursonutricao@unifeso.edu.br 

Coordenação do Curso de Odontologia
Prof. Alexandre Vicente Garcia Suarez
coordcursoodontologia@unifeso.edu.br
 
Diretoria do Centro de Ciências Humanas e Sociais
Profa. Ana Maria Gomes de Almeida
cchs@unifeso.edu.br

Coordenação do Curso de Administração
Prof. Jucimar André Secchin
coordcursoadministracao@unifeso.edu.br

Coordenação do Curso de Ciências Contábeis
Prof. Jucimar André Secchin
coordcursocontabeis@unifeso.edu.br

Coordenação do Curso de Direito
Prof. Leonardo Figueiredo Barbosa
coordcursodireito@unifeso.edu.br

Coordenação do Curso de Pedagogia
Profa. Maria Terezinha Espinosa de Oliveira
coordcursopedagogia@unifeso.edu.br
Diretoria do Centro de Ciências e Tecnologia
Profa. Vivian Telles Paim
cct@unifeso.edu.br

Coordenação do Curso de Ciência da Computação
Prof. Laion Luiz Fachini Manfroi
coordcursocomputacao@unifeso.edu.br

Coordenação do Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária
Profa. Vivian Telles Paim
coordcursoengambiental@unifeso.edu.br

Coordenação do Curso de Engenharia Civil
Prof. Heleno da Costa Miranda
coordcursoengcivil@unifeso.edu.br

Coordenação do Curso de Engenharia de Produção
Prof. Rafael Murta Pereira
coordcursoengproducao@unifeso.edu.br
Diretoria de Educação a Distância
Profa. Edenise da Silva Antas
diretoria.ead@unifeso.edu.br
Diretoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão
Profa. Dra. Elaine Maria de Andrade Senra
dppe@unifeso.edu.br

O Projeto Pedagógico Institucional - PPI de um Centro Universitário, por sua própria natureza e em vista dos diversos temas que abrange e articula, é um documento relativamente extenso. Como numa sinfonia, entretanto, há um tema principal, que ora é explicitado, ora aparece em diálogo ou subjacente a outros. Esse tema principal é a pedagogia da instituição, isto é, aquela descrição dos perfis dos atores da educação superior tais como concebidos pela instituição, dos objetivos propostos e dos meios para alcançá-los e dos valores que constituem o cerne da cultura institucional, estabelecendo a unidade na diversidade, ou melhor, sobrepondo e explicitando os diversos ramos do conhecimento, sua finalidade última, a saber a realização do indivíduo como pessoa e na sociedade.

É importante, portanto, recolher e explicitar essa pedagogia que emerge do PPI ao mesmo tempo em que constitui seu mais profundo substrato, dando-lhe uma formulação sintética e explicitando seus conceitos e fundamentos. É nessa recapitulação, feita de preferência ad literam o quanto possível, que se encontra a profissão de fé da instituição, aquele conjunto inegociável de princípios e valores que lhe norteiam as ações e projetam seu desenvolvimento.
A educação é um processo de formação integral, integrante e integradora das pessoas e dos grupos. Ela se faz na liberdade do ser humano. Nisto reside o fundamento da autonomia moral e intelectual, que é uma capacidade a ser exercida pelos atores do processo educacional e seu desenvolvimento se dá em função de uma prática educativa coerente com esta finalidade. No UNIFESO tal prática abrange e integra a Educação Básica e a Educação Superior em seus diferentes graus e modalidades (ensino de graduação, sequencial e de pós-graduação).

O estudante é considerado, antes de tudo, como uma pessoa autônoma e livre, na sua identidade bio-psíquica, histórico cultural e psicossocial; nas suas particularidades, interesses e necessidades; sujeito de um processo de inter-relações e de interações históricas de humanização, de personalização, de socialização e politização na construção do mundo.

O profissional docente, como agente do processo educativo, define-se em uma função pedagógica e andragógica de diálogo permanente, em que importa seja capaz de interrogar constantemente sua própria prática, assim como orientar o estudante nesse sentido para que ambos reconstruam suas concepções, sua maneira de olhar o mundo e seu engajamento no convívio social como cidadãos e como profissionais.

O processo de desenvolvimento da capacidade de aprender e do pensamento crítico se faz com o aperfeiçoamento da comunicação interpessoal no uso das linguagens, como meio de constituição dos conhecimentos e formação de atitudes e valores. Assim se fixam as bases teóricas de uma concepção do currículo que privilegia a interdisciplinaridade didática, decorrente da unidade e da integração do objeto do saber e será buscada pela constante cooperação entre as áreas do conhecimento e suas confluências. Esta posição epistemológica supõe um eixo integrador, a constituir-se como um objeto de um projeto de investigação (pesquisa), de uma proposta de construção científica (ensino) e um plano de intervenção, aplicação e transferência (extensão).
Se nos Conceitos nos referimos ao processo educacional e seus atores, nestes Fundamentos elencamos aqueles valores que estão simultaneamente na origem e na finalidade da existência do UNIFESO. Eles são, no sentido aristotélico da expressão, a causa final da FESO.
De modo geral, a educação se concebe como um amplo e aberto processo vital e dialógico em que se integram os indivíduos e os grupos humanos no seu desenvolvimento integral e na sua formação. Este processo abrange os momentos da socialização e do compromisso histórico das pessoas e das instituições na construção do mundo preservando sempre, como fundamento do qual dependa todo o resto, a autonomia da consciência individual. Essa dialética se exprime na articulação dos seguintes postulados:

O homem é um ser perfectível e educável. É naturalmente ordenado à vida em sociedade, mas cada pessoa tem uma vida própria, que não permite ser reduzida a mero número ou a simples meio a serviço da sociedade. A educação, expressão da vida social e comunicativa do homem, é, no seu cerne, um processo interior e pessoal em busca da plenitude humana. Esse trabalho educacional pode ser definido como a ajuda do mais velho ao mais moço para que com maior facilidade e segurança chegue à sua plenitude humana (D. Lourenço de Almeida Prado, 1 *).

A natureza do homem, na sua dupla estrutura corpórea e espiritual, cria condições especiais para a manutenção e transmissão da sua forma particular e exige organizações físicas e espirituais, ao conjunto das quais damos o nome de educação. Na educação, como o homem a pratica, atua a mesma força vital, criadora e plástica, que espontaneamente impele todas as espécies vivas à conservação e à propagação do seu tipo.
É nela, porém, que essa força atinge o seu mais alto grau de intensidade, através do esforço consciente do conhecimento e da vontade dirigida para a consecução de um fim
(Werner Jaeger 2*).

*1 - Cf. www.csbrj.org.br/palavra.html
*2 - Apud BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é Educação. Brasiliense, São Paulo, 1981.
Por ética se entende o conjunto de princípios fundamentais que orientam a moral e os costumes dos indivíduos, dos grupos humanos e dos povos e nações. Ela inspira a visão fundamental do bem e do mal para a condução das práticas humanas, sociais e políticas. Como ciência, destaca-se no conhecimento filosófico, como o estudo do comportamento moral dos seres humanos em sociedade. Torna-se, então, o conjunto de normas de comportamento e formas de vida através do qual os seres humanos tendem a realizar o valor do bem. Inspira a coerência entre os fins e os meios utilizados para alcançá-los no propósito de defender valores fundamentais como a vida e a dignidade humana, o respeito entre os homens. É também a capacidade humana de pensar as próprias finalidades de seu agir social.

Justiça significa a igualdade de todos os cidadãos diante da lei. É o principio básico de um acordo que objetiva manter a ordem social através da preservação dos direitos, seja através de sua definição e proteção, seja nos casos de conflito em que se torne necessária alguma forma de arbitragem. Entretanto, "a justiça não é uma simples relação extrínseca ou formal, aritmética ou geométrica, dos atos humanos, mas sim a unidade concreta desses atos, de modo a constituírem um bem intersubjetivo, ou, melhor, o bem comum" (Miguel Reale 3*).

*3 - REALE, Miguel. Filosofia do Direito. 208 ed., Saraiva, São Paulo, 2002.
Solidariedade é a adesão permanente à causa dos interesses coletivos, especialmente dos que se referem aos mais necessitados. Trata-se da atitude e do sentimento de altruísmo que leva os indivíduos e grupos a tomar decisões que impliquem na consideração maior do bem comum e na dedicação do próprio tempo, recursos e esforços de uma maneira voltada para o bem do outro. É a capacidade humana de se colocar no lugar e na situação do outro (compaixão), decorrendo daí comportamentos de respeito e colaboração.
Projeto Pedagógico Institucional - PPI/2016
Relatório de Atividades
Regimento Geral do UNIFESO
Anexo IV ao Regimento Geral do UNIFESO
Anexo V ao Regimento Geral do UNIFESO
Anexo VI ao Regimento Geral do UNIFESO